Precisamos falar sobre o 19J

Precisamos falar sobre o 19J

No próximo sábado, 19 de junho, é dia de, como diria o filósofo italiano Antônio Gramsci, “tomar partido”.

Não se trata de escolher entre partido “A”, “B” ou “C”. Não se trata de uma disputa entre esquerda e direita. Se trata de escolher entre democracia ou autoritarismo, entre civilização ou barbárie, entre vida ou morte, entre esperança de vencermos a pandemia ou enterramos mais meio milhão de mortos.

O “governo” federal fez tudo o que podia para PIORAR e AGRAVAR a situação da pandemia no país: diminuiu a gravidade da doença, incentivou o uso de medicamentos que não ajudam no combate à doença, gastou milhões do orçamento público com essa inutilidade, incentivou aglomerações e a não utilização de máscaras, mas, principalmente, RECUSOU A OFERTA DE MILHARES DE DOSES DE VACINA.

A estratégia parece simples: agravar a situação pandêmica para “passar a boiada”. E nessa boiada passa, diariamente, o desmatamento exponencial da Amazônia, o aparelhamento de órgãos públicos e ministérios, a coação e a intimidação de servidores, o aumento desenfreado no custo de vida, desemprego (são mais de 20 milhões de pessoas nessa situação), insegurança alimentar (que é um eufemismo para “não sei se terei comida para mim ou minha família no próximo final de semana”), o congelamento de salário dos servidores por 15 anos e o corte sistemático no orçamento das universidades (inclusive a nossa). Tudo isso enquanto o país se aproxima ao macabro número de 500.000 pessoas mortas, muitas delas sem atendimento ou oxigênio.

Não dá mais!!

Por isso, no próximo sábado, é indispensável a nossa participação nos atos e movimentos que ocorrerem em nossas cidades. Nós sempre estivemos presentes nas lutas contra a retirada de direitos trabalhistas, contra os cortes no orçamento da educação e lutamos contra a “reforma” da previdência. Não raro, os TAEs e as TAEs da Unipampa eram a principal categoria presente nesses movimentos, e NÓS PRECISAMOS VOLTAR ÀS RUAS.

Com segurança, com distanciamento entre os participantes, com máscara e álcool gel, mas nós precisamos voltar. Não podemos mais assistir pela TV o desmonte e a destruição do país. Precisamos nos somar à luta contra esse “governo” miliciano e genocida.

Sábado, 19 de Junho, é dia de tomar partido e escolher em que lado da história nós estaremos. Ao lado dos que lutaram ou dos que se omitiram. Não há outro lado.

Todos e todas que puderem, participem dos Atos. Eles estão sendo construídos para que todos nós possamos ir, participar e voltar, com segurança, para nossas casas.

Aqueles que não puderem participar (e nós entendemos o caso daqueles e daquelas que não podem ir), podem ajudar divulgando os ato em suas redes sociais, compartilhando o conteúdo e as imagens das manifestações, para que possamos começar a vencer a batalha contra esse desgoverno, nas ruas e nas redes.

Mas aqueles e aquelas que puderem ir: VÃO!! É fundamental a presença e a participação de todos e todas.

Por Eduardo Chagas.

Cidades da base do SINDIPAMPA que já confirmaram a realização de Atos:

Alegrete: Calçadão / 15h

Bagé: Praça do Coreto / 10h

Caçapava do Sul: Praça do Noca / 15h

Jaguarão: Praça do Regente / 14h

Santana do Livramento: Parque Internacional / 10h

Uruguaiana: Praça do Trevo (Duque com Setembrino) / 13:30h

Compartilhar:
Cris Ricordi

Os comentários estão fechados.

Copyright 2022© by Sindipampa